Entenda porque os autistas rejeitam toque social


Ryan Mcginnis

Um dos maiores desafios para as famílias que enfrentam o autismo é o problema do toque. Muitas vezes, as crianças autistas resistir abraços e outros tipos de contato físico, causando sofrimento ao redor.

Agora, um novo estudo oferece uma visão sobre por que algumas pessoas rejeitam toques físicos e como as famílias afetadas pelo autismo podem aprender a compartilhar abraços sem sobrecarregar os sentidos uma criança autista.


Neurocientistas de Yale recrutaram 19 jovens e fotografaram a atividade cerebral quando o antebraço dos pesquisados era tocado suavemente com um pincel aquarela. Em alguns casos, o toque foi rápido, e em outros lento: estudos mostraram que a maioria das pessoas percebem o contato leve como afetuoso, enquanto o mais rápido é sentido como menos agradável e até cócegas.

Nenhum dos participantes do estudo tinham autismo, mas os pesquisadores avaliaram traços autísticos. Eles descobriram que os participantes com os mais altos níveis de traços de autismo tiveram uma menor resposta nas principais regiões do cérebro social - sulco temporal superior (STS) e córtex orbitofrontal (OFC) - para o lento escovação.


De acordo com Marta Kaiser, autora sênior do estudo e diretora associada do Laboratório de Neurociência da Criança no Centro de Estudos da Criança Yale, o STS é um centro crítico do cérebro na área social. "Essa região é importante para perceber as pessoas ao nosso redor, para estímulos sociais e visuais para percepção dos sons social versus não-social", diz ela.


Os resultados atuais sugerem que a região também está envolvida no processamento de contato social e que sua resposta está ligada à capacidade social do indivíduo, diz ela.


A OFC, ao contrário, ajuda o cérebro a avaliar as experiências - se algo é provável que seja bom ou mau e se envolve prazer ou dor. "Os cérebros de pessoas ricas em traços autistas não codificaçam o toque como socialmente relevante, que é uma interpretação", diz Kaiser de suas descobertas. "A OFC é muito importante para a codificação de recompensa talvez por isso eles estão sentindo o toque, mas nestes indivíduos, seus cérebros não fazem a codificação do tipo de toque como sendo tão gratificante como em indivíduos com menos traços autistos".


Se for esse o caso, encontrando maneiras de tornar a experiência social - incluindo o toque - mais gratificante pode ser uma maneira de ajudar as pessoas autistas se conectar melhor com os outros.

Uma melhor compreensão de como contato social é processado de forma diferente por pessoas não-autistas e autista pode levar ao desenvolvimento de estratégias para os membros da família e entes queridos para tocar as pessoas com autismo em uma maneira que acalma e estimula sentimentos de conexão, em vez de rejeição.


Kaiser e seus colegas já estão estudando as pessoas com perturbações do espectro autista para explorar essas questões, principalmente em crianças. Fazer contato social gratificante no início do desenvolvimento pode ajudar ainda mais  as crianças autistas a aprenderem habilidades sociais, pois o aprendizado é fortemente dependente de prazer. Já que o desenvolvimento posterior depende de experiência precoce, tal estratégia pode melhorar o seu desenvolvimento global. "Acho que há uma série de aplicações potenciais do tratamento para este trabalho", afirma Kaiser.


O estudo foi publicado na Social Cognitive and Affective Neuroscience.
Fonte: Healthland

Comentários

Mais Visitados