Exposição precoce à anestesia pode prejudicar cognição de crianças

Pacientes que são submetidos à anestesia antes dos três anos enfrentam mais problemas relacionados à linguagem e ao raciocínio ao longo da infância

Uma nova pesquisa mostrou que crianças que são expostas à anestesia antes dos três anos de idade, mesmo que somente uma vez, têm um maior risco de apresentar dificuldades de raciocínio e problemas de linguagem ao longo da infância. Segundo os autores do estudo, porém, essa conclusão não deve assustar os pais e fazer com que eles evitem a qualquer custo submeter seus filhos à anestesia. “Se as crianças precisam de uma cirurgia, é preciso colocar na balança os riscos e os benefícios do procedimento”, diz Lena Sun, anestesiologista da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, e uma das autoras do trabalho.

Esses resultados, publicados nesta segunda-feira na revista Pediatrics, foram baseados nos dados de aproximadamente 2.900 crianças que estavam inscritas em um levantamento nacional da Austrália. Os participantes realizaram testes de raciocínio, linguagem, memória e interpretação de texto quando completaram dez anos de idade. Eles também responderam a questionários sobre saúde emocional para que os pesquisadores observassem se havia incidência de problemas como depressão e agressividade.

O estudo concluiu que as crianças que haviam sido expostas à anestesia para uma cirurgia ou um exame diagnóstico antes dos três anos de idade cometeram o dobro de erros de linguagem e tiveram mais dificuldade em resolver problemas do que as outras. Não foi encontrada nenhuma relação entre as anestesias e problemas de comportamento, de atenção ou de e habilidades motoras.
Para os pesquisadores, é preciso cuidado ao analisar esses dados, já que outros fatores podem contribuir para essa relação. Por exemplo, crianças que foram expostas à anestesia nos primeiros anos de vida e que, portanto, precisaram passar por alguma cirurgia, podem apresentar outras condições médicas que prejudiquem o desenvolvimento cerebral de alguma forma. No entanto, como os procedimentos observados pelos participantes do estudo foram menores (circuncisão, remoção das amígdalas e procedimentos odontológicos, por exemplo), é possível que a anestesia seja a principal causadora desses problemas cognitivos, explicam os autores.



Fonte Veja

Comentários

Mais Visitados