Por que jovens começam a beber cada vez mais cedo?

"Jovens ansiosos, deprimidos, hiperativos, com características de grande busca por novidade e, com dificuldades de evitar riscos, estão em maior risco de consumo regular e pesado de bebidas em idade precoce"
O alcool é a droga de escolha entre muitos adolescentes e a média de idade para o início do consumo tem sido mais baixa através do tempo.
Enquanto em 2003, a média de idade para o início do consumo era de 14 anos, em 1965 a média do início do consumo era de 17 anos. Quanto mais cedo é o início do consumo de bebidas alcoólicas, mais precoces são as complicações sociais, educacionais relacionadas à saúde nessa população.

Segundo dados do I Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil realizado em 2001, 48,3% dos jovens de 12-17 anos já fizeram uso na vida de álcool, ao passo que esse número atinge 73,2% dos jovens de 18-24 anos. Segundo o mesmo estudo, 5,2% e 15,5 % dos jovens de 12-17 anos e 18-24 anos, respectivamente, são dependentes de álcool.

No ano de 2005, com a realização do II Levantamento Domiciliar no Brasil, os autores constataram que o uso de álcool por jovens de 12-17 anos e de 18-24 anos foi de, respectivamente, 54,3% e 78,6% ao passo que a dependência dessa substância nesses mesmos grupos etários foi de 7,0% e de 19,2%, respectivamente.

Além do consumo de bebidas alcoólicas ser cada vez mais precoce, tem-se reconhecido que muitos adolescentes que bebem costumam beber pesadamente, comumente ingerindo cerca de 70 gramas de álcool (equivalem a umas 5 latas de cerveja) ou mais por ocasião de consumo de bebida.

Embora a diferença entre os gêneros tenha se mantido, com jovens do gênero masculino consumindo mais frequentemente e pesadamente álcool do que as do gênero feminino, essa disparidade tem se tornado cada vez menor.

Garotos e garotas têm as mesmas motivações para beber

De fato, algumas evidências apontam que os motivos atribuídos pelos jovens de ambos os gêneros para consumir bebidas alcoólicas têm sido muito parecidos.

Motivações:

- Pressão de pares;

- Necessidade de perder as inibições e aproveitar mais o tempo;

- Vontade de ficar “alto”.

Essas são as três principais razões entre homens e mulheres jovens para fazer uso de bebidas. Também, correntemente jovens de ambos os gêneros frequentam os mesmos ambientes, são menos sujeitos às críticas devido a comportamentos relacionados ao beber, sustentam crenças mais liberais e assumem plena igualdade de posições.

Ser adolescente é um fator de risco

À medida que as crianças se desenvolvem para a fase da adolescência, múltiplas modificações físicas, psicológicas e de estilo de vida acontecem. Transições no desenvolvimento têm sido associadas com o recrudescimento ou mesmo início do consumo de álcool, o que também tem sido visto na transição para a terceira idade. De qualquer forma, simplesmente o fato de ser um adolescente, pode ser considerado um fator de risco estático tanto para o início do consumo de bebidas alcoólicas quanto para o consumo pesado delas.

Principais fatores relacionados à experimentação precoce de bebidas alcoólicas:

1º) Tomada de risco

As conexões cerebrais estão em contínuo desenvolvimento nessa fase da vida, e a busca por estímulos ou sensações tem sido associada com esse fato. Para alguns adolescentes, a busca intensa por excitação ou estímulos pode incluir a experimentação de bebidas alcoólicas e as atividades associadas com esse uso. Segundo pesquisas populacionais, quanto mais precoce é o consumo regular de bebidas alcoólicas, mais cedo é o início da vida sexual, menor é o tempo dedicado aos estudos, e mais frequente é a experimentação de outras substâncias. Modificações no desenvolvimento físico, incluindo hormonais e cerebrais, podem estar relacionadas com o comportamento muitas vezes impulsivo de adolescentes.

2º) Expectativas

O modo como as pessoas enxergam o consumo de bebidas alcoólicas e seus efeitos influencia o padrão de uso. Um adolescente que espera que, ao beber, sinta-se mais descontraído, sociável, desejável em determinado grupo, fará o uso. Crenças sobre o álcool e seus efeitos são estabelecidas antes mesmo da adolescência. Comumente, antes dos 9 anos de idade, a criança tem crenças negativas a respeito do uso de bebidas; entretanto, depois dos 12 anos essas crenças mudam.

3º) Sensibilidade e tolerância ao álcool

Diferenças entre o cérebro de um adulto e de um adolescente podem explicar, pelo menos parcialmente, porque jovens conseguem consumir doses bastante altas de bebidas alcoólicas quando comparado a adultos. Também, experiências novas, influência de pares, expectativas positivas diante desse uso colaboram intensamente para o desenvolvimento de tolerância;

4º) Características de personalidade e presença de transtornos mentais

Jovens ansiosos, deprimidos, hiperativos, com características de grande busca por novidade e, com dificuldades de evitar riscos, estão em maior risco de consumo regular e pesado de bebidas em idade precoce;

5º) Fatores hereditários

Ser filho de alcoolista ou ter vários membros familiares portadores de alcoolismo coloca os jovens em maior risco de desenvolver problemas com o uso de bebidas. Filhos de alcoolistas têm risco de 4 a 10 vezes maior para manifestarem problemas com o uso de bebidas, quando comparados a jovens sem antecedentes familiares de problemas com o consumo de álcool. Também, mais recentemente, alguns genes têm sido relacionados com o desenvolvimento do alcoolismo e de comportamentos nocivos relacionados ao consumo de bebidas;

6º) Influência ambiental

Certamente, fatores genéticos sozinhos não explicam o desenvolvimento do comportamento nocivo em relação ao álcool. Influência dos colegas ou pares e pais que mantêm uma visão positiva sobre o consumo de bebidas influenciarão o uso de álcool pelos filhos.


Fonte Uol

Comentários

Mais Visitados