Bullying:"Além de banalizar o conceito, o que mais conseguimos ao abusar desse termo? Alarmar os pais" Rosely Sayão


No dia 17 de maio, tive o prazer de participar como uma ouvinte curiosa, da palestra da psicóloga Rosely Sayão. O tema abordado foi questões de convivência e conflitos entre alunos.
 
Como espectadora pude perceber a demanda dos pais em relação a este tema e fiquei espantada ao ver como os mesmos estão amedrontados, imaginando que algo possa acontecer a seus filhos no ambiente escolar.
 
Escutei diversos relatos, perguntas e dúvidas em relação ao tema, histórias verbalizadas como: pequenos tiranos, criança marginal e aquele agressor violento. Fiquei perplexa ao me deparar com histórias rotineiras e simples sendo transformadas no Caso Casey (menino australiano).
 
O tema Bullying, tão exposto pela mídia, alarmou os pais de forma impressionante e basta algum acontecimento, por mínimo que seja, que rapidamente a palavra Bullying entra em ação.

Não estou dizendo que não existe bullying, mas sim, que este tema está sendo banalizado, por pequenas coisas e situações conflitantes e corriqueiras de convívio entre colegas que sempre aconteceram e sempre acontecerão, sem ultrapassar os limites das relações civilizadas.

Temos, como pais, a responsabilidade de avaliar o que realmente ocorre com o filho, escutar a história, analisar se realmente há necessidade de intervenção de um adulto, além de debater com a criança formas de solução e ajudá-lo a enfrentar da melhor maneira essa situação. 

"Não prive seus filhos da companhia de colegas diferentes no comportamento, na idade etc. Esses relacionamentos, mesmo conflituosos, são verdadeiras lições de vida para eles que, assim, aprendem a criar mecanismo de enfrentamento, a avaliar riscos e, principalemnte, a reconhecer as situações em que precisam pedir ajuda." Rosely Sayão

Temos que refletir!!!

3 comentários:

Anônimo disse...

É verdade, este tema foi e está sendo muito falado e temos que prestar atenção quando o bullyng está realmente acontecendo. Porém sou professora e como prfissional é necessário ficar atentas a determinados comportamentos que hoje podem não ser nada, mas futuramnete... uidar com determinados comportamentos pode evitar

Leo disse...

Eu também acredito que o termo está banalizado. Em minha opinião a brincadeira com apelidos que as crianças fazem não é nada sério, sempre irá acontecer. O problema existe quando essas brincadeira começam a isolar ou afetar a criança de maneira muito negativa, deixando-a deprimida.

Simone Barbosa Pasquini disse...

Leo,
Realmente este é o problema por isso temos que prestar atenção nas brincadeiras, quem a faz e para quem está direcionando. Temos que avaliar o perfil de cada criança e assim interferir, se necessário.
Abraços
Simone