Especialista dá dicas para identificar crimes sexuais contra crianças


Os crimes sexuais contra crianças e adolescentes corresponderam a 16% das denúncias recebidas pelo Disque Direitos Humanos (0800 031 1119) em 2011, com 336 relatos. Só os crimes de violência física dentro da própria família e de negligência e abandono, com 752 e 746 denúncias, respectivamente, superaram os relatos de crimes sexuais. Mas como identificar esse tipo de violência, que muitas vezes ocorre dentro da própria família?

A psicóloga e responsável pela Coordenadoria Especial de Política Pró-Criança e Adolescente (Cepcad), Eliane Quaresma, chama a atenção dos pais para possíveis sinais apresentados pelas crianças que sofrem esse tipo de violação. “O abuso sexual acontece de uma forma muito velada. O abusador é, geralmente, muito próximo e tem uma relação de confiança com a criança, que passa a ter uma dependência provocada pelo medo. Além disso, a criança sente vergonha e normalmente é ameaçada pelo abusador”, explica Quaresma.
 
Dado do Observatório da Infância aponta que apenas 30% dos casos de abusos deixam evidências físicas, o que, para a psicóloga, dificulta ainda mais a identificação da violência. “A criança dá outros sinais: passa a ficar deprimida, apática, apresenta queda no rendimento escolar e medo de ficar sozinha”, exemplifica.

Quaresma também ressalta a importância de os pais sempre acreditarem no que os filhos contam. “Muitas vezes, por vergonha, a criança, que tem o imaginário muito fértil, floreia um caso para contar um abuso e isso leva as pessoas a não acreditarem”, disse, orientando os pais a sempre apurarem o que os filhos dizem.

A criança que sofre violação e não é tratada carrega sequelas para o resto da vida e geralmente se torna um adulto com dificuldade de relacionamento social, depressivo, com impotência sexual, frigidez, além de poder cometer suicídio.
Proteja

Para incentivar a população a denunciar os crimes contra crianças e adolescentes, o Governo de Minas lançou, em maio de 2008, a Campanha Proteja Nossas Crianças, coordenada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) e pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca). É uma das maiores mobilizações já realizadas no país com foco no combate à violência doméstica e à exploração sexual desse público. Conta com a parceria das emissoras de TV, rádio e jornais impressos do Estado.
Fique atento a algumas táticas usadas por abusadores:

- Fazem-se passar por jovens ou crianças da mesma idade;
- Abordam assuntos que agradam suas vítimas potenciais;
- Oferecem algum benefício monetário ou presente;
- Tornam-se ‘amigos’, criando uma atmosfera de acolhimento e dependência;
- Usam informações fornecidas por crianças, adolescentes e jovens durante o contato pela internet ou nos perfis criados em sites de relacionamento;
- Podem buscar esse contato fora da internet, pessoalmente, nas escolas, clubes ou lan houses.

Fonte: Agência Minas

Nenhum comentário: